Santos dos Últimos Dias nas Paralimpíadas: Competições finais

A seleção canadense de vôlei sentado feminino disputou a medalha de bronze após as semifinais na sexta-feira, 3 de setembro, no 10º dia dos Jogos Paralímpicos. A batalha pelo bronze no goalball masculino, o torneio de tiro com arco recurvo individual e o último dia de natação também fizeram parte das competições desta semana para atletas ligados a A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias competindo em Tóquio.

Outros atletas ligados à Igreja competiram na natação, no atletismo e no arremesso de disco.

Vôlei sentado

Com uma vitória por 3×0 contra o Japão, a equipe canadense de vôlei sentado feminino passou às semifinais pela disputa de uma medalha.

O Canadá, incluindo a jogadora Payden Vair, venceu o Japão por 25×19, 25×15 e 25×20 na terceira partida da rodada preliminar do Grupo A na quarta-feira, 1º de setembro.  

As oito equipes de vôlei sentado feminino são divididas em dois grupos e cada equipe joga com as outras três equipes do grupo. O Canadá (2-1) estava no Grupo A com o Brasil (3-0), Itália (1-2) e Japão (0-3). As duas primeiras equipes de cada grupo avançaram para as semifinais e enfrentam as duas primeiras equipes do Grupo B.

Na sexta-feira, 3 de setembro, o Canadá enfrentou a China nas semifinais, perdendo a partida por 3×0. Os sets foram 25×18, 25×20 e 25×15, enquanto lutavam por cada ponto. Payden Vair jogou durante as três partidas e serviu quatro vezes.

Payden Vair, no canto superior direito, compete durante a partida de vôlei sentado pela medalha de bronze feminino entre Brasil e Canadá no Makuhari Messe Hall, Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 em Chiba, Japão, sábado, 4 de setembro de 2021.
Payden Vair, no canto superior direito, compete durante a partida de vôlei sentado pela medalha de bronze feminino entre Brasil e Canadá no Makuhari Messe Hall, Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 em Chiba, Japão, sábado, 4 de setembro de 2021. Credit: Captura de tela via nbcolympics.com

No sábado, 4 de setembro, a seleção canadense de vôlei sentado, incluindo a jogadora Payden Vair, enfrentou o Brasil pela medalha de bronze. O Canadá perdeu a partida por 3×1. O Brasil venceu o primeiro set por 25×15; o Canadá venceu o segundo set por 26×24 e perdeu os dois seguintes por 26×24 e 25×14, e cada equipe lutou por cada ponto. Durante o jogo final, Vair, uma especialista em saque, jogou todos os quatro sets e sacou 10 vezes.

Goalball 

Com uma derrota por 8×1 na semifinal para a China na quinta-feira, 2 de setembro, a equipe dos EUA, incluindo Daryl Walker, disputou a medalha de bronze contra a Lituânia na sexta-feira, 3 de setembro.

Na partida de quinta-feira contra a China, Walker jogou 10 minutos e contribuiu com 12 arremessos. Walker, 39, fez parte da equipe vencedora da medalha de prata em 2016.

Daryl Walker dos E.U.A. ouve enquanto espera a bola passar em sua direção durante a partida pela Medalha de Bronze do Goalball Masculino entre os Estados Unidos e a Lituânia durante os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020, Chiba, Japão, sexta-feira, 3 de setembro de 2021.
Daryl Walker dos E.U.A. ouve enquanto espera a bola passar em sua direção durante a partida pela Medalha de Bronze do Goalball Masculino entre os Estados Unidos e a Lituânia durante os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020, Chiba, Japão, sexta-feira, 3 de setembro de 2021. Credit: Simon Bruty para OIS via Associated Press

Na sexta-feira, 3 de setembro, o time de goalball dos E.U.A. ficou em quarto lugar na colocação geral, perdendo por 10×7 contra a Lituânia no jogo pela medalha de bronze. Daryl Walker jogou 19 minutos, marcou duas vezes e fez 26 arremessos durante a partida.

A Lituânia marcou seus dois primeiros gols em lances de pênalti, e Walker marcou o primeiro gol dos E.U.A. da partida. Em um lance de pênalti, o jogador que incorreu no pênalti defende o gol sozinho.

Os E.U.A. empataram na metade do primeiro tempo. No segundo tempo, a Lituânia avançou para 6×2 e os E.U.A. se recuperaram com dois gols, conseguindo um placar de 6×4, antes da Lituânia marcar novamente em um lance de pênalti. Os E.U.A. marcaram mais dois gols, incluindo um de Walker. A Lituânia avançou com 9×6 e cada um marcou mais um antes da partida terminar com 10×7.

Natação

Na quinta-feira, dia 2 de setembro, tanto Tupou Neiufui, da Nova Zelândia quanto Lourdes Alejandra Aybar Diaz, da República Dominicana, nadaram nas eliminatórias do estilo livre de 50 metros, S8 (para deficiências físicas).

Na bateria 1, Toupu ficou em segundo lugar com o tempo de 32,47 segundos. Ela foi a quarta geral dos 13 nadadores nas duas baterias e foi uma das oito primeiras que se classificaram para as finais.

Na bateria 2, o tempo de Aybar de 36,82 segundos a colocou em sétimo lugar.

Na final, Tupou nadou os 50 metros em 31,48 segundos e ficou em quinto geral.

No início das Paralimpíadas, Tupou, de 20 anos, ganhou o ouro nos 100 metros costas S8 (para deficiências físicas). Tóquio é sua segunda Paralimpíada. Originalmente como reserva em 2016, ela competiu após a lesão de um colega de equipe.

Alejandra Aybar Diaz, da República Dominicana, sorri ao entrar para a final feminina do S8 dos 100 metros borboleta nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 em Tóquio, sexta-feira, 3 de setembro de 2021.
Alejandra Aybar Diaz, da República Dominicana, sorri ao entrar para a final feminina do S8 dos 100 metros borboleta nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 em Tóquio, sexta-feira, 3 de setembro de 2021. Credit: Captura de tela via nbcolympics.com

Esta é a primeira Paralimpíada de Aybar — e ela também é a primeira nadadora Paralímpica a representar seu país, a República Dominicana.

Ela já havia competido nos 100 metros de peito, SB6 (para deficiências físicas). Na sexta-feira, Aybar nadou no S8 borboleta de 100 metros (para deficiências físicas). Ela ficou em oitavo lugar com o tempo de 1:44,12.

Atletismo

Em uma noite chuvosa no Estádio Olímpico, o americano David Blair foi o quarto colocado dos cinco atletas do disco, em uma divisão mista de F44 e F64. Ambas as divisões incluem deficiências dos membros inferiores; F44 é onde uma prótese não é necessária e F64 é  quando uma prótese é necessária.

Cada competidor tem seis chances de conseguir o lançamento mais longo com o disco, que tem 21,8 centímetros de diâmetro, 1,4 centímetros de espessura no centro e pesa 2 quilos.

David Blair, dos EUA, dá um OK no início da prova final do arremesso de disco F44/F64 nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 em Tóquio na quinta-feira, 2 de setembro de 2021.
David Blair, dos EUA, dá um OK no início da prova final do arremesso de disco F44/F64 nos Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 em Tóquio na quinta-feira, 2 de setembro de 2021.

A chuva deixou o círculo de lançamento escorregadio e os trabalhadores e atletas continuaram a secá-lo durante a competição.

Blair teve dois arremessos que contaram. Seu segundo lançamento foi de 53,18 metros, e o quarto foi de 48,00 metros.

Ele escorregou no terceiro assalto e conseguiu conversar com os oficiais para refazer o arremesso. Infelizmente, o disco foi para a rede lateral.

Blair, 45, de Eagle Mountain, Utah, foi o campeão da medalha de ouro de 2016 no Rio e é o recordista paralímpico por 6 anos: 11 metros que ainda se mantém. Ele estabeleceu o recorde mundial de 64,26 metros em maio em Tucson, Arizona, no Festival de Atletismo dos E.U.A.

A norte-americana Taylor Talbot, segunda a partir da direita, compete em sua bateria dos 100 metros femininos T13 durante os Jogos Paralímpicos de 2020 no Estádio Nacional de Tóquio na terça-feira, 30 de agosto de 2021.
A norte-americana Taylor Talbot, segunda a partir da direita, compete em sua bateria dos 100 metros femininos T13 durante os Jogos Paralímpicos de 2020 no Estádio Nacional de Tóquio na terça-feira, 30 de agosto de 2021.

Taylor Talbot dos E.U.A. correu nos 400 metros T13 (para deficiência visual) na quinta-feira, 2 de setembro. A aluna da BYU–Idaho ficou em quarto lugar na segunda bateria, e em 13º lugar na geral com um tempo de 1:04,76.

Os dois primeiros colocados em cada uma das três corridas seguiram para as finais, além dos próximos dois corredores mais rápidos, entre os 15 corredores.

Ela também correu no T13 de 100 metros no início desta semana.

Tiro com arco

Eric Bennett, dos E.U.A., ficou em nono lugar na colocação geral do torneio de tiro com arco recurvo individual masculino na sexta-feira, 3 de setembro, após duas partidas disputadas.

O jogador de 48 anos de Surprise, Arizona, ficou em 15º lugar após a rodada de classificação preliminar e enfrentou o australiano Taymon Kenton-Smith, que ficou em 18º, na rodada eliminatória de 1/16.

Contra Kenton-Smith, Bennett ganhou de 6×4, vencendo os dois primeiros sets 27×25 e 29×24, incluindo dois 10’s. Ele perdeu os próximos dois 24×23 e 25×24, vencendo o quinto por 28×24.

Na rodada eliminatória, Bennett disputou com o chinês Lixue Zhao. Zhao venceu o primeiro set, 26×25. Eles empataram na segunda e terceira partidas e foram praticamente flecha a flecha em suas combinações de pontuação. No terceiro set, Bennett venceu por 29×27 e marcou dois 10’s. Na quinta rodada, Bennett perdeu o set por 25×21. Zhao conquistou a medalha de prata.

Eric Bennett, à esquerda, e a colega de equipe Emma Rose Ravish competem no torneio de tiro com arco recurvo de equipe mista no Campo de Arco e Flecha Yumenoshima Park durante os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 no sábado, 4 de setembro de 2021.
Eric Bennett, à esquerda, e a colega de equipe Emma Rose Ravish competem no torneio de tiro com arco recurvo de equipe mista no Campo de Arco e Flecha Yumenoshima Park durante os Jogos Paralímpicos de Tóquio 2020 no sábado, 4 de setembro de 2021. Credit: Captura de tela via nbcolympics.com

No sábado, 4 de setembro, Eric Bennett e sua companheira de equipe Emma Rose Ravish competiram no torneio de tiro com arco recurvo de equipes mistas. A dupla perdeu por 6×2 para Kirill Smirnov e Margarita Sidorenko do Comitê Olímpico da Rússia nas rodadas eliminatórias. Bennett e Ravish ficaram em 13º lugar na classificação geral, com base em suas pontuações na rodada preliminar e Smirnow e Sidorenko ficaram em quarto lugar. A equipe do Comitê Olímpico da Rússia conquistou o ouro no evento.