Um marco importante: 2,4 milhões de rolos de microfilmes do FamilySearch estão agora digitalizados

Um esforço global para digitalizar a coleção de milhões de rolos de microfilmes do FamilySearch está agora concluído — um marco que levou 83 anos para ser alcançado, conforme anunciado pela Igreja na terça-feira, dia 21 de setembro. 

O arquivo com informações sobre mais de 11,5 bilhões de pessoas está disponível para o público no FamilySearch.org. Mais de 200 países e principados, bem como mais de 100 idiomas, estão representados nos documentos digitalizados. 

O projeto de digitalização foi dirigido pelo historiador e registrador da Igreja, e executado por profissionais de preservação do Departamento de História da Igreja.

Élder LeGrand R. Curtis Jr., Setenta Autoridade Geral que serve como historiador e registrador da Igreja, disse que o projeto mostra o compromisso da Igreja de compartilhar e utilizar seus registros preservados. 

“A Igreja tem se dedicado à preservação adequada dos registros desde o início, e aprendemos com Alma que preservamos registros para que os filhos de Deus possam ver a Sua mão em sua vida e fazer o convênio de aceitarem e seguirem o Salvador”, disse Élder Curtis, citando Alma 37:17-19, 46.

Uma jovem usa um leitor de microfilmes para fazer pesquisas de história da família.
Uma jovem usa um leitor de microfilmes para fazer pesquisas de história da família. Credit: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Além dos profissionais de preservação no Departamento de História da Igreja, o esforço também envolveu funcionários da Igreja e missionários seniores que visitaram muitos acervos religiosos e governamentais em todo o mundo nas últimas oito décadas. 

“Esperamos que todas as pessoas que contribuíram para este marco nos últimos 80 anos sintam uma sensação de humilde realização hoje”, disse Steve Rockwood, Diretor Executivo do FamilySearch International, em um comunicado do FamilySearch à imprensa [em inglês]. 

“E esperamos que os milhões de indivíduos que descobrirão, reunirão e conectarão geração após geração de seus familiares nos próximos anos, por causa desses esforços, tenham um profundo sentimento de gratidão pelas muitas pessoas que contribuíram anonimamente e fizeram com que essas descobertas fossem possíveis.”

O que é um microfilme?

Um rolo de microfilme pode conter de centenas a milhares de registros genealógicos.
Um rolo de microfilme pode conter de centenas a milhares de registros genealógicos. Credit: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Por mais de 100 anos, o FamilySearch e seus antecessores vêm coletando, preservando e fornecendo acesso a registros históricos de importância genealógica — tais como nascimento, morte, casamento, censo, serviço militar e documentos de imigração.

A Sociedade Genealógica de Utah [artigo em inglês] — atualmente conhecida como FamilySearch — iniciou a microfilmagem de registros em 1938. A microfilmagem é a captura fotográfica de um documento, imagem ou arquivo em formato reduzido, armazenada em um rolo de filme de 16 mm ou 35 mm, que pode ser visualizada com o uso de uma máquina que amplia a imagem em uma tela. 

A coleção de microfilmes do FamilySearch chegou a ter mais de 2,4 milhões de rolos. 

Durante várias décadas, cópias de rolos originais podiam ser encomendadas e visualizadas em um dos mais de 5 mil centros de história da família do FamilySearch em todo o mundo. O FamilySearch encerrou sua distribuição de microfilmes para centros de história da família em 2017 [artigo em inglês], quando iniciou a transição para uma disponibilização totalmente digital, em que as informações podem ser visualizadas e pesquisadas online.  

O processo de digitalização

O FamilySearch adquiriu seus primeiros scannersem 1998, e começou a digitalizar sua coleção de microfilmes. 

Primeiramente, os scanners detectavam a borda frontal de uma imagem, quadro por quadro, explicou David Rencher, diretor de genealogia da FamilySearch. Mas se não conseguissem detectar a borda dianteira de um quadro, pulavam aquela imagem, passando para a próxima — o que resultou em muitas imagens perdidas.

Os últimos rolos de microfilmes são digitalizados, conforme a Igreja completa o projeto que teve seu início há mais de 20 anos. As primeiras máquinas de digitalização foram compradas em 1998.
Os últimos rolos de microfilmes são digitalizados, conforme a Igreja completa o projeto que teve seu início há mais de 20 anos. As primeiras máquinas de digitalização foram compradas em 1998. Credit: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Programas e processos foram desenvolvidos pelo FamilySearch, Departamento de História da Igreja e Departamento de Serviços de Informação e Comunicação da Igreja, para melhorar e acelerar o processo. 

“Nossos funcionários desenvolveram uma tecnologia para captar o rolo inteiro de filme como uma única imagem, e depois dividi-lo em imagens separadas, o que é algo que não havia sido feito antes”, disse Rencher. “E, dessa forma, garantimos que nenhuma imagem fosse perdida. Isso foi algo sem precedentes.”

A digitalização começou com cerca de cinco funcionários. À medida que o processo foi sendo desenvolvido, até 30 funcionários usando 26 scanners estavam trabalhando no projeto, mesmo durante a pandemia de COVID-19. 

O último rolo de filme adicionado à coleção foi captado pelas câmeras de campo do FamilySearch em 2018, e a última digitalização de um microfilme foi concluída no mês passado. Os registros eram disponibilizados online à medida que eram digitalizados. 

Por que isso é importante

Élder Curtis disse que o esforço de digitalização de microfilmes reflete “a volta de nosso coração a nossos pais”, como parte do cumprimento da profecia de Malaquias, que Moroni citou a Joseph Smith em setembro de 1823 (ver Joseph Smith-História 1:36-39). 

“Este trabalho sempre foi mais do que apenas passarmos documentos originais do papel para o microfilme, para o formato digital”, disse ele. ‘É um esforço para acelerarmos a obra de salvação na Terra; um empenho para salvarmos a Terra e seus habitantes da devastação total; um esforço para voltarmos o coração dos filhos a seus pais, à medida que são tocados pelo poder do sacerdócio e aceitam o convênio abraâmico — a promessa feita aos pais — em seu coração.”

O FamilySearch também está no processo de digitalização de sua grande coleção de microfichas, que deverá ser concluído nos próximos anos, de acordo com o comunicado à imprensa. As microfichas armazenam imagens de documentos em fichas em vez de rolos.

Para explorar as coleções de registros e imagens indexados do FamilySearch, acesse FamilySearch.org e pesquise “Registros” e “Imagens”. O recurso Explorar Imagens Históricas permite que os usuários visualizem imagens digitalizadas da coleção de microfilmes e muito mais [o idioma pode ser alterado no canto inferior esquerdo do página].

Gavetas repletas de microfilmes continuarão a ser armazenadas nos arquivos da Igreja para gerações futuras, mesmo que todos os rolos de filmes tenham sido digitalizados.
Gavetas repletas de microfilmes continuarão a ser armazenadas nos arquivos da Igreja para gerações futuras, mesmo que todos os rolos de filmes tenham sido digitalizados. Credit: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Linha do tempo da digitalização de microfilmes do FamilySearch 

1938: A Sociedade Genealógica de Utah — conhecida hoje como FamilySearch — inicia a microfilmagem.

1998: O FamilySearch compra suas primeiras máquinas para a digitalização de microfilmes.

2006: Programas e processos são desenvolvidos pelo FamilySearch, Departamento de História da Igreja e Departamento de Serviços de Informação e Comunicação da Igreja.

2017: O FamilySearch encerra sua distribuição de microfilmes para centros de história da família ao implementar a disponibilização de acesso online.

2018: O último rolo de filme adicionado à coleção é captado pelas câmeras de campo do FamilySearch. 

2021: A digitalização do último microfilme é concluída.