Santo dos últimos dias que serviu no Japão hoje patrulha a defesa da Força Aérea no campo

Não há nenhuma conexão óbvia entre derrubar o atacante de seu rival durante um jogo de futebol universitário transmitido para todo o país, e compartilhar humildemente a mensagem do evangelho com um pesquisador no Japão.

Contudo, Ethan Erickson, jogador de futebol americano da Academia da Força Aérea e missionário retornado, é espiritualmente maduro o suficiente para encontrar uma relação. 

No estádio e no campo missionário, ele observou que “os resultados podem não vir tão rápido quanto desejamos. Porém, mais tarde, podemos ver o verdadeiro impacto e a magnitude das coisas que fizemos.”

Erickson será essencial para que a Força Aérea alcance seus resultados desejados no futebol em 2021: primeiro, receber o título de vencedor da Divisão de Mountain West; e, segundo, recuperar o Troféu Commander-in-Chief, concedido à melhor academia de serviço militar do país.

“Este poderá ser um grande ano para nós”, disse ele ao Church News. “Individualmente, estou apenas tentando melhorar a cada dia e a cada semana, para que eu possa ser o melhor jogador de futebol americano possível durante meu último ano na academia.”

O time ganhou dois de três jogos — incluindo uma vitória memorável contra a Marinha no 20º aniversário dos atentados de 11 de setembro. 

Erickson, jogador da linha defensiva e natural de South Jordan, Utah, é um dos principais jogadores da defesa do time. Ele também é um mentor, especialmente para os jogadores mais jovens, que ainda estão no processo intimidante de adaptação ao futebol universitário e à vida militar.

Ethan Erickson, cadete da Academia da Força Aérea, é um missionário retornado e um importante jogador da linha defensiva do time de futebol americano da Academia da Força Aérea.
Ethan Erickson, cadete da Academia da Força Aérea, é um missionário retornado e um importante jogador da linha defensiva do time de futebol americano da Academia da Força Aérea. Credit: Foto fornecida pela Academia da Força Aérea dos Estados Unidos

“[Ethan] simplesmente se tornou melhor a cada ano”, disse Troy Calhoun, técnico da Força Aérea, ao jornal Colorado Springs Gazette. “Como calouro, ele foi firme. No segundo ano, pudemos ver que ele realmente começou a progredir e voltar ao ritmo do futebol americano. Ele ajudou muito no ano passado. Ele também vai ajudar muito neste ano em suas posições de defesa.”

O caminho do futuro oficial da Força Aérea até seu último ano de futebol americano não seguiu uma trajetória convencional — pelo menos na Academia.

Após se formar no ensino médio pela Bingham High School em South Jordan, Erickson optou por responder a um chamado para servir na Missão Japão Kobe, em vez de passar um ou dois anos jogando e estudando na Academia da Força Aérea em Colorado Springs, Colorado.

“Servir uma missão era algo que eu realmente queria fazer, e eu não queria ter a chance de encontrar algo que me fizesse mudar de ideia”, disse ele. “Eu também queria ter quatro anos consecutivos na academia sem distrações.”

Tanto como jogador de futebol americano quanto como cadete/futuro oficial da academia, Erickson é grato por poder competir, se formar e ser comissionado com o mesmo grupo de jovens com quem passou pelo treinamento básico de cadete como calouro.

Erickson está afastado do serviço missionário de tempo integral há vários anos, mas ainda se inspira com as memórias que mudaram sua vida, criadas enquanto servia como um jovem missionário de camisa branca e gravata no Japão.

“Só o fato de poder compartilhar minhas crenças e experiências — e depois observar outros crescerem no evangelho — solidificou minha própria fé. Minha missão me ajudou a me aproximar do Salvador.”

Ethan Erickson serviu na Missão Japão Kobe. O jovem de Utah é agora um importante jogador do time de futebol americano da Academia da Força Aérea de 2021.
Ethan Erickson serviu na Missão Japão Kobe. O jovem de Utah é agora um importante jogador do time de futebol americano da Academia da Força Aérea de 2021. Credit: Foto fornecida por Lory Erickson

Aprender japonês foi difícil, mas Erickson contou com as mesmas pessoas que estava ensinando para receber “aulas particulares” informais.

 “Havia muitas pessoas que estavam dispostas a me ajudar.”

Muitos dos japoneses, acrescentou ele, lhe ensinaram lições de bondade e gratidão duradouras. “Eles me ensinaram a ser grato por tudo. Seja uma provação ou uma bênção, e aprendi que podemos levar tudo com calma e ser gratos pela jornada.”

Erickson ingressou na Academia da Força Aérea três semanas após retornar do Japão para casa. Sua transição marcou uma mudança dramática.

“Passar de um ambiente completamente espiritual para o treinamento básico foi como ir para extremos opostos do espectro. Não foi fácil, mas me ajudou a crescer. As lições que aprendi em minha missão me ajudaram a superar esses obstáculos e a encontrar força para superá-los.

Como jogador de futebol, Erickson admite que levou mais de um ano para voltar à forma física pré-missão. Ele dá crédito a técnicos e colegas de equipe pacientes, que conheciam seu potencial e desejo.

Ethan Erickson, nº 14 do time da Força Aérea, entra em campo antes da partida do dia 11 de setembro de 2021 contra a Academia Naval dos Estados Unidos em Annapolis, Maryland.
Ethan Erickson, nº 14 do time da Força Aérea, entra em campo antes da partida do dia 11 de setembro de 2021 contra a Academia Naval dos Estados Unidos em Annapolis, Maryland. Credit: Foto fornecida por Ethan Erickson

Ele também é grato por fazer parte da pequena, mas muito unida, comunidade de santos dos últimos dias da Academia. Poder se reunir com seus amigos e missionários de relações militares para noites familiares semanais e aulas do Instituto o elevaram durante períodos desafiadores. As reuniões e aulas também proporcionam oportunidades para missionários retornados compartilharem novamente suas crenças com outras pessoas. 

“Tentamos nos apoiar mutuamente e ser um bom exemplo para outras pessoas, disse ele.

Erickson e seus colegas cadetes santos dos últimos dias frequentam as reuniões de domingo com outros jovens adultos solteiros das alas da região de Colorado Springs, perto da Academia.

Além do futebol americano, o ano acadêmico de 2021-22 na academia será memorável para Erickson. Ele será comissionado segundo tenente em maio, e espera se tornar um analista de pesquisa de operações da Força Aérea. Ele também planeja cursar uma pós-graduação e aprimorar suas habilidades na língua japonesa.

“É uma época emocionante.”