Painel inter-religioso em Seton Hall reúne católicos e santos dos últimos dias

Católicos e santos dos últimos dias participaram de um painel inter-religioso na Universidade Seton Hall, em New Jersey, neste mês, em um evento inédito na universidade. Os membros do painel responderam a perguntas e discutiram a relação entre as duas igrejas.

Eles também descreveram experiências que já tiveram com o diálogo inter-religioso e pensaram em maneiras de continuar a amizade e a comunicação.

A Universidade Seton Hall [em inglês] é uma das principais universidades católicas do país, estabelecida em 1856. A ideia para o painel inter-religioso veio de uma estudante sênior chamada Ellen Paul, que está trabalhando em uma tese sobre o relacionamento entre a Igreja Católica e A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Um dos momentos mais marcantes na história das duas igrejas juntas foi em Roma em 2019, quando Presidente Russell M. Nelson se tornou o primeiro presidente da Igreja a se encontrar com um papa católico romano. Presidente Nelson e Papa Francisco também deram um abraço caloroso, que Paul chamou de um marco para as relações entre as Igrejas.

Presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, se encontra com o Papa Francisco no Vaticano, em Roma, Itália, no sábado, dia 9 de março, 2019.
Presidente Russell M. Nelson, de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, se encontra com o Papa Francisco no Vaticano, em Roma, Itália, no sábado, dia 9 de março, 2019. Crédito: Vaticano

Paul tem uma visão única sobre este assunto. Ela foi batizada na Igreja em março de 2020, enquanto frequentava Seton Hall. Agora, ela é membro da Estaca Scotch Plains New Jersey.

Paul reuniu seis painelistas para o evento virtual na sexta-feira, 13 de novembro: três santos dos últimos dias e três católicos.

Diálogo Positivo

A painelista Hanna Seariac era católica e agora é santo dos últimos dias. Ela atualmente frequenta a Universidade Brigham Young. Paul dirigiu a primeira pergunta a ela, perguntando como ambos os grupos podem facilitar diálogos positivos em suas vidas cotidianas.

“Acho que o mais importante é tentar entender uns aos outros e não fazer caricaturas das diferentes crenças”, respondeu Seariac. Ela disse que presumir coisas sobre a outra religião ou pensar que o outro grupo não têm o desejo de aprender, às vezes leva a preconceitos contra a outra religião.

“O mais importante ao abordar o diálogo é apenas tentar entender o que alguém realmente acredita e não fazer um julgamento sobre essa crença”, disse Seariac.

O painelista Corey Chivers, da Estaca Scotch Plains em Nova Jersey, concordou. “Apenas a capacidade de se relacionar uns com os outros no cotidiano e em termos de viver sua religião, deixar você acreditar e apoiar uns aos outros, acho que há um grande valor nisso”, disse ele. Chivers foi recentemente desobrigado da presidência da estaca e serviu no Conselho Inter-religioso da Cúpula de Nova Jersey.

Universidade Seton Hall.
Universidade Seton Hall. Crédito: Seton Hall University

Dois dos painelistas disseram que a amizade entre eles os levou a uma maior compreensão e diálogo entre suas diferentes religiões. Mauro Properzi e Mathew Schmalz se conheceram na universidade, e então a conversa cresceu para assuntos como filhos e famílias. Properzi foi criado como santo dos últimos dias, morando na Itália e é um professor associado da BYU, enquanto Schmalz é um estudioso católico no College of the Holy Cross em Worcester, Massachusetts.

“Nós nos conhecemos como amigos e isso cria um nível de confiança [e] um nível de compreensão que realmente abre as portas para todos os tipos de conversas diferentes e difíceis”, disse Properzi. “Basta construir relacionamentos de amizade e irmandade com seus vizinhos, e a partir daí você pode passar para muitas conversas diferentes.”

O painelista Monsenhor John Radano, da Universidade Seton Hall, explicou alguns dos ensinamentos da Igreja Católica. Radano participou da Conferência Mundial sobre Religião e Paz, e há muito tempo está envolvido em esforços inter-religiosos.

“É por meio do diálogo, das conversas ecumênicas que temos, que aprendemos o quanto temos em comum”, disse Radano.

O sexto painelista foi o Padre Dan Dwyer, que participou de um diálogo na UVU em 2015 com Schmalz e Properzi. Dwyer é professor associado de História no Siena College e, embora seja católico, também é membro de longa data da Associação de História Mórmon [em inglês]. Isso o torna uma espécie de forasteiro interno, disse ele.

Diálogo inter-religioso entre católicos e santos dos últimos dias na Universidade Seton Hall, na sexta-feira, 13 de novembro de 2021.
Diálogo inter-religioso entre católicos e santos dos últimos dias na Universidade Seton Hall, na sexta-feira, 13 de novembro de 2021.

Valores em comum

Dwyer disse que vê uma semelhança entre os membros de ambas as igrejas em um mundo cada vez mais secular. Pessoas de fé falam uma linguagem que pode fazer sentido para outras pessoas de fé, mesmo quando elas não concordam com todos os dogmas. É mais fácil preencher a lacuna entre as religiões quando você é religioso.

“Temos definições diferentes para algumas palavras”, disse Dwyer, referindo-se ao batismo, apostasia ou à Trindade. “Às vezes, as palavras atrapalham, e a realidade das relações humanas algumas vezes transcende a definição.”

Falar sobre teologia é importante, disse ele, mas ir além dessas conversas permite que você veja as semelhanças no dia a dia.

Uma parte do painel de discussão enfocou as maneiras pelas quais as duas igrejas internacionais se associam para fornecer socorro ou serviço em todo o mundo. Radano mencionou como as pessoas trabalham lado a lado, bem como organizações como a Catholic Relief Services [em inglês] e os Serviços de Caridade dos Santos dos Últimos Dias, que fazem parceria.

Universidade Seton Hall.
Universidade Seton Hall. Crédito: Seton Hall University

Eles também falaram sobre justiça social. Schmalz disse que encontrou um senso realmente poderoso de justiça social ao ler o sermão do rei Benjamim no Livro de Mosias.

“Há muito do que a tradição santo dos últimos dias fala em termos de justiça social que vai além da simples ação política da qual os católicos podem se beneficiar muito”, disse Schmalz.

Em troca, Seariac disse que admirava a tradição católica de justiça social.

“Acho que é algo que, como santos dos últimos dias e católicos, podemos unir os braços para tentar aliviar a pobreza e carregar o fardo das pessoas, especialmente em uma época em que isso fica visível com muito mais frequência porque temos as redes sociais, por isso ficamos mais sintonizados com o sofrimento do mundo”, disse ela.

Fortalecendo relacionamentos

Algumas perguntas no painel incluíram como a fé pode fortalecer os jovens e as famílias. Chivers falou sobre o Seminário e o currículo do “Vem, e Segue-Me”. Seariac destacou os programas dos Rapazes e Moças. Dwyer elogiou a Igreja por seu programa missionário.

Properzi, que também é presidente do Conselho de Divulgação Religiosa da BYU [em inglês], disse que admira a Igreja Católica por seu calendário litúrgico e, ainda mais especificamente, a Semana Santa e a Páscoa.

Paul encerrou o painel perguntando sobre o futuro relacionamento entre católicos e santos dos últimos dias.

Seariac e Radano falaram novamente sobre se unir para ajudar os pobres. Seariac disse que isso criaria unidade e ajudaria a “encontrar maneiras de levar outros a Jesus Cristo, inclusive nós mesmos, não como denominações separadas, mas como uma família de Deus”, explicou ela.

Diálogo inter-religioso entre católicos e santos dos últimos dias na Universidade Seton Hall, na sexta-feira, 13 de novembro de 2021.
Diálogo inter-religioso entre católicos e santos dos últimos dias na Universidade Seton Hall, na sexta-feira, 13 de novembro de 2021.

Todos os painelistas concordaram que desejam ter mais diálogo no futuro. Muitos disseram que falar sobre sua fé com outras pessoas os ajuda a entender melhor por si próprios.

“Acho que uma coisa sobre o diálogo, ou algo necessário sobre isso, é uma abertura para a graça ou uma abertura para se surpreender, e que, de certa forma, quando começarmos a conversar e nos levarmos a sério como irmãos e irmãs em Cristo, novas possibilidades serão abertas para todos nós”, disse Schmalz.

Paul disse que o painel foi melhor do que ela poderia ter imaginado. Ela ficou satisfeita com a forma como os palestrantes interagiram e compartilharam histórias pessoais.

“Estas são seis pessoas que se preocupam com o diálogo inter-religioso e veem os outros como irmãos e irmãs em Cristo”, disse ela.

Paul disse que este foi um grande passo para Seton Hall, que já teve diálogos inter-religiosos com outras religiões, mas nunca com os santos dos últimos dias. “Isto é um apenas um começo. Espero que este seja um começo para a faculdade, e espero que, de alguma forma, eu possa continuar a tecer a ideia de inter-religião e unir as pessoas em minha vida”, disse ela.