Servindo aos que servem: Como a Igreja está apoiando membros militares e suas famílias

Neste momento, os santos dos últimos dias servindo nas Forças Armadas estão estacionados ou destacados em quase todos os cantos do mundo. Legiões de membros devotos vestem o uniforme de seus respectivos países.

Muitos estão longe de suas famílias e entes queridos. Mas não importa onde eles sirvam, eles nunca estão sozinhos.

Independentemente da nacionalidade do membro, o apoio espiritual e prático está disponível para ele por meio da Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão da Igreja.

O diretor da divisão, C. Todd Linton, disse que a Igreja está comprometida a cuidar de todos os santos dos últimos dias servindo nas forças armadas, assim como de suas famílias.

C. Todd Linton, durante seu serviço anterior na Força Aérea dos Estados Unidos, dirige a Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão da Igreja.
C. Todd Linton, durante seu serviço anterior na Força Aérea dos Estados Unidos, dirige a Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão da Igreja. Crédito: Fornecido por C. Todd Linton

“Nossa principal missão é apoiar os militares e suas famílias, bem como capelães e suas famílias, a guardar e fazer convênios com o Salvador e viver este evangelho”, disse Linton, coronel aposentado da Força Aérea.

“Para nós, isso envolve fornecer o apoio, direção e orientação que nossos membros precisam, seja servindo nas Forças Armadas ou como capelão santo dos últimos dias em um hospital.”

Este apoio vem de muitas formas. Fornecer comunhão no evangelho para, digamos, um fuzileiro naval ou marinheiro de 18 anos recém-alistado pode fazer uma grande diferença na transição para a vida militar.

Com este propósito, a Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão da Igreja ajuda a colocar missionários seniores de relações militares e missionários seniores de serviço, perto de bases militares e depósitos de treinamento dos Estados Unidos. Sua proximidade permite que jovens santos dos últimos dias ainda se estabelecendo em um novo ambiente militar altamente regrado, encontrem novos amigos e mentores, assim como um aperto de mão e um sorriso de boas-vindas.

Sorrisos de boas-vindas dos missionários de relações militares

Para os jovens recrutas que navegam no rigor ruidoso do treinamento básico, algumas horas de adoração pacífica no Dia do Senhor podem ajudá-los a seguirem em frente para a próxima semana extenuante. Os missionários de relações militares normalmente são permitidos nas bases de treinamento e academias de serviço dos E.U.A. aos domingos a fim de conduzirem reuniões sacramentais e aulas de doutrina do evangelho.

Novos recrutas, cadetes ou aspirantes têm a chance no domingo de fugir dos rigores e do caos do treinamento militar básico por algumas horas, para frequentarem a Igreja. “Esses rapazes e moças provavelmente foram os únicos que ficaram desapontados quando as reuniões da Igreja passaram de três para duas horas”, brincou Linton.

Chapéus militares são exibidos no seminário anual para capelães da Igreja no Teatro do Centro de Conferências em Salt Lake City na terça-feira, dia 5 de outubro de 2021.
Chapéus militares são exibidos no seminário anual para capelães da Igreja no Teatro do Centro de Conferências em Salt Lake City na terça-feira, dia 5 de outubro de 2021. Crédito: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Os missionários de relações militares geralmente também vêm de origens militares. Eles conhecem bem a cultura e a “linguagem” das Forças Armadas.

“Os missionários também estão lá para dizer: ‘Ei, aguente firme. Eu mesmo já passei por algumas dessas coisas’”, disse Linton. “É importante ministrar em um momento crítico da vida deles.”

Os recursos da Igreja disponíveis para homens e mulheres militares não terminam no treinamento básico. Eles também podem entrar em contato com o escritório da Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão da Igreja quando estiverem procurando por um líder santo dos últimos dias, durante uma missão ou outros serviços da Igreja.

“É neste momento que podemos fazer as conexões apropriadas para fornecermos apoio e orientação para ajudá-los a permanecerem no caminho do convênio para a salvação”, disse Linton.

Membros da Patrulha da Fronteira dos E.U.A. posam para uma foto no seminário anual de capelães da Igreja no Teatro do Centro de Conferências em Salt Lake City, na terça-feira, 5 de outubro de 2021.
Membros da Patrulha da Fronteira dos E.U.A. posam para uma foto no seminário anual de capelães da Igreja no Teatro do Centro de Conferências em Salt Lake City, na terça-feira, 5 de outubro de 2021. Crédito: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Leia mais: Élder Uchtdorf aconselha capelães endossados pela Igreja a fazerem parceria com o Mestre que Cura e a edificarem outras pessoas

Grupos de serviço patrocinados pela Igreja que operam em regiões de serviço militar avançadas, ou em um navio, oferecem aos santos dos últimos dias oportunidades frequentes de se reunirem para adorarem, serem ensinados sobre o evangelho e terem companheirismo e diversão.

Trabalhando em estreita colaboração com as presidências de área, a divisão de relações militares ajuda a estabelecer e manter grupos de serviço onde quer que os santos dos últimos dias estejam localizados.

“Se um capelão santo dos últimos dias ou um outro capelão que pode conduzir serviços santos dos últimos dias não estiver disponível, podemos chamar um “líder de grupo religioso diferente.”

Como ex-oficial da Força Aérea e santo dos últimos dias, Linton conhece bem o poder encontrado nos grupos de serviço. Ele próprio serviu como líder de grupo, desfrutando um sentimento de irmandade com pessoas de todas as origens.

“Que bênção foi poder nos reunir aos domingos com outras pessoas”, disse ele.

O site da Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão da Igreja oferece diversos recursos, incluindo uma variedade de vídeos para famílias de militares santos dos últimos dias, e até mesmo um link para assistir os serviços sacramentais online.

“Mas também recomendamos que as pessoas simplesmente nos procurem aqui na sede da Igreja”, acrescentou Linton. “Procure os missionários seniores de serviço e os missionários seniores de relações militares. Você descobrirá que nunca está sozinho… Podemos reunir forças do bem em tempos de necessidade.”

O Escritório da Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão da Igreja fornece apoio espiritual e prático para os santos dos últimos dias militares e suas famílias.
O Escritório da Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão da Igreja fornece apoio espiritual e prático para os santos dos últimos dias militares e suas famílias. Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

Prover e endossar capelães santos dos últimos dias

Além de fornecer serviços de apoio aos militares e suas famílias, a Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão também desempenha um papel central na identificação, desenvolvimento e endosso de capelães santos dos últimos dias para o serviço nas Forças Armadas.

Há mais de um século, a Igreja tem criado uma rica história de capelães santos dos últimos dias servindo às Forças Armadas dos E.U.A. Mas, nas últimas décadas, a Igreja abriu mais caminhos para promover a aceitação de capelães militares santos dos últimos dias.

Nas Forças Armadas dos E.U.A., capelães militares de todas as religiões são encarregados de fornecerem orientação espiritual a homens e mulheres em serviço militar e a suas famílias. Sempre que possível, eles também ajudam a organizar oportunidades específicas de adoração para militares, tanto homens como mulheres.

“Com tudo o que está acontecendo no mundo, incluindo essa pandemia, a necessidade de capelães cresceu”, disse Linton.

“E não apenas capelães militares, mas também capelães civis. Portanto, também temos capelães santos dos últimos dias que trabalham com as forças policiais. Temos capelães que trabalham com a Patrulha de Fronteira dos E.U.A. Temos capelães que trabalham em hospitais, universidades e outras instituições onde as pessoas precisam de ministração.”

Cuidando das famílias de militares

Uniforme militar de um capelão santo dos últimos dias. A Igreja provê e endossa capelães para o serviço nas forças armadas de várias nações.
Uniforme militar de um capelão santo dos últimos dias. A Igreja provê e endossa capelães para o serviço nas forças armadas de várias nações. Crédito: Jeffrey D. Allred, Deseret News

Os santos dos últimos dias prestando serviço militar geralmente são homens e mulheres de família. São esposas e maridos. Mães e pais. A Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão está estruturada para apoiar as famílias de militares, especialmente durante as missões, quando as famílias são separadas.

Linton também incentiva as famílias de militares a se tornarem ativamente parte de sua comunidade local de santos dos últimos dias, onde quer que estejam estacionados.

“Quando você chegar a uma nova área, encontre a capela da Igreja mais próxima e certifique-se de ir à Igreja naquele primeiro domingo”, disse ele. “Você vai construir sua família militar. Eles serão uma fonte de apoio. Você descobrirá que há muitas pessoas que o amam e se importam com você. Eles entendem o que você precisa e o que você está passando.

“Eles estarão lá para ajudar.”

Linton também incentiva os santos dos últimos dias sem vínculos militares a buscarem ativamente oportunidades de servirem às famílias dos militares.

O Escritório da Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão da Igreja fornece apoio espiritual e prático para os santos dos últimos dias militares e suas famílias.
O Escritório da Divisão de Relações Militares e Serviços de Capelão da Igreja fornece apoio espiritual e prático para os santos dos últimos dias militares e suas famílias. Crédito: A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias

“Lembrar deles é fundamental”, disse ele. “Eu não posso dizer em quantas missões militares estive, e que recebi uma carta aleatória de uma criança na escola me agradecendo pelo meu serviço…. Isso sempre me fez sentir como se alguém se importasse.”

Marido e pai de três filhas e um filho, Linton relembra uma missão particularmente longa. A separação foi um grande desafio para todos na família.

“Mas nunca me esquecerei de uma vizinha que veio à nossa casa e disse à minha esposa: ‘Acho que você precisa de um tempo sozinha. Por que você não me deixa preparar as crianças para dormir e você pode ir ler um livro.

“Essa ministração básica e bondade cristã significaram muito para minha esposa e para nossa família. Era o que o Salvador faria, simplesmente ministrando de maneira amorosa e carinhosa.”