Veja a história da Igreja na Carolina do Norte e por que a rededicação do templo é uma “mudança de jogo” para Santos dos Últimos Dias

APEX, Carolina do Norte – O Estado dos Calcanhares de Piche já é familiar a momentos históricos.

Em 1718, o temível pirata Barbanegra encontrou um fim violento batalhando marinheiros britânicos em direção ao litoral da Carolina do Norte. Quase dois séculos depois, no dia 17 de dezembro, 1903, os Irmãos Wright lançaram o primeiro avião de automotores do mundo que voou perto da cidade de Kitty Hawk.

E em 23 de março, 1957, a Universidade da Carolina do Norte reivindicou seu primeiro de seis campeonatos masculinos de basquete NCAA – vencendo o Kansas Jayhawks de Wilt Chamberlain numa prorrogação tripla. (Fãs de universidades próximas de Duke e North Carolina State vão lembrá-los corretamente que seus próprios times também ganharam vários títulos nacionais de basquete.)

Contudo, para muitos Santos dos Últimos Dias da Carolina do Norte, nenhuma data da história do estado é tão significativa quanto 18 de dezembro, 1999. Naquela época de Natal, o presidente Gordon B. Hinckley dedicou o primeiro e único templo do estado, o Templo de Raleigh Carolina do Norte.

Élder Kevin R. Duncan e sua esposa, irmã Nancy Duncan, recebem presidente M. Russell Ballard no Templo de Raleigh Carolina do Norte no dia 13 de outubro, 2019.
Élder Kevin R. Duncan e sua esposa, irmã Nancy Duncan, recebem presidente M. Russell Ballard no Templo de Raleigh Carolina do Norte no dia 13 de outubro, 2019. Credit: Jason Swensen

Acompanhando o presidente Hinckley naquele dia foi seu amigo e companheiro apóstolo, o então-élder M. Russell Ballard.

Quase duas décadas depois – e apenas cinco dias após celebrar seu aniversário de 91 anos – presidente Ballard, presidente em exercício do Quórum dos Doze Apóstolos, retornou à Carolina do Norte no domingo para rededicar o Templo de Raleigh Carolina do Norte.

“Sou grato por estar de volta”, ele falou ao Church News. “É uma parte maravilhosa do país e uma parte tremendamente importante da Igreja. Tem Santos grandiosos aqui na Carolina do Norte.”

Todos os membros do Quórum dos Doze, ele acrescentou, “sentimos honrados que o presidente Russell M. Nelson nos dá algumas dessas designações que ajudam a aliviar os fardos dos seus ombros.”

Presidente Ballard participou da dedicação original do templo de Raleigh durante um período de construção de templos histórica e abundante. Esse esforço continua hoje. No dia 5 de outubro, presidente Nelson anunciou planos de construir oito novos templos em locais ao redor do globo – Freetown, Serra Leoa; Orem, Utah; Porto Moresby, Papua-Nova Guiné; Bentonville, Arkansas; Bacólod, Filipinas; McAllen, Texas; Cobán, Guatemala; e Taylorsville, Utah.

Membros em todo o mundo comentam o anúncio de 8 novos templos pelo presidente Nelson

Presidente Ballard foi acompanhado na única cerimônia de rededicação no domingo por élder Kevin R. Duncan, Setenta Autoridade Geral e Diretor Executivo do Departamento de Templos, e élder James B. Martino, Setenta Autoridade Geral e presidente da Área Sudeste da América do Norte. Suas esposas, irmã Nancy Duncan e irmã Jennie Martino também participaram.

Após a cerimônia de domingo de manhã, os líderes visitantes apertaram as mãos de todos os que atenderam à rededicação quando saíam do templo.

Presidente M. Russell Ballard cumprimenta mulher da Carolina do Norte após rededicação do Templo de Raleigh Carolina do Norte, no dia 13 de outubro, 2019. Élder Kevin R. Duncan e élder James B. Martino estão à direita.
Presidente M. Russell Ballard cumprimenta mulher da Carolina do Norte após rededicação do Templo de Raleigh Carolina do Norte, no dia 13 de outubro, 2019. Élder Kevin R. Duncan e élder James B. Martino estão à direita. Credit: Jason Swensen

Nova esperança

Para membros da Carolina do Norte, ter um templo em funcionamento dentro das fronteiras de seu próprio estado foi um milagre – uma eterna “mudança de jogo” – que foi realizado depois de décadas de oração e serviço fiel no templo.

Joel Hancock é um orgulhoso filho de Harkers Island, uma pequena faixa de terra conhecida pela rica história e devoção de Santos dos Últimos Dias para o serviço missionário. Como criança, ele lembra de ver membros da família viajar da sua ilha natal para a “longa jornada” do litoral da Carolina do Norte para Utah para receber as ordenanças do templo.

No momento em que Hancock e sua esposa, Susan, casaram-se, a jornada era bem mais curta – uma viagem de ida e volta de 1287 km (800 milhas) para o Templo de Washington D.C.

“Mas, após a abertura do templo de Raleigh em 1999, tivemos a bênção de ter um templo que é menos de 320 km (200 milhas) de distância”, ele disse. “Desde então, temos aproveitado a conveniência de frequentar o templo de forma rotineira.”

O primeiro e único templo da Carolina do Norte – o Templo de Raleigh Carolina do Norte – foi rededicado pelo presidente M. Russell Ballard no dia 13 de outubro, 2019.
O primeiro e único templo da Carolina do Norte – o Templo de Raleigh Carolina do Norte – foi rededicado pelo presidente M. Russell Ballard no dia 13 de outubro, 2019. Credit: Jason Swensen

Os Hancocks serviram no templo por um ano antes de seu fechamento. Não ter um templo em funcionamento por perto “tem nos lembrado de como frequentar o templo regularmente tem significado em nossas vidas e na vida de nossa família.”

Enquanto vários Santos dos Últimos Dias da Carolina do Norte, como os Hancocks, traçam raízes profundas na história da Igreja no estado, outros, como residente de Holly Springs, Joanna Backman são transplantados. Independente de qualquer coisa – o templo de Raleigh é uma âncora espiritual para membros de todas as origens.

Uma conversa da Alemanha, Backman se mudou para a Carolina do Norte cerca de uma década atrás e trabalhou no templo de Raleigh por muitos anos. Retornando ao templo durante a recente casa aberta “foi uma experiência espiritual para mim”, ela disse.

Como Santos dos Últimos Dias em qualquer lugar, Backman enfrentou os problemas da vida. Mas, a rededicação de domingo do amado templo de Raleigh, ela disse, representa renovação, nova esperança e as promessa da eternidade.

Backman fez muitos amigos ao longo da vida servindo no templo. “E agora estou ansiosa para voltar com eles.”

Santos dos Últimos Dias da Carolina do Norte chegam para a rededicação do Templo de Raleigh Carolina do Norte, no dia 13 de outubro, 2019. O templo foi rededicado quase duas décadas após dedicação original.
Santos dos Últimos Dias da Carolina do Norte chegam para a rededicação do Templo de Raleigh Carolina do Norte, no dia 13 de outubro, 2019. O templo foi rededicado quase duas décadas após dedicação original. Credit: Jason Swensen

Templos são estruturas físicas que envelhecem. Às vezes eles precisam ser reformados, atualizados e até fechados por um período. Porém, membros do distrito do templo de Raleigh aprenderam que ser “pessoas do templo” não é condicionado à proximidade de um templo em funcionamento.

“Enquanto o templo de Raleigh estava fechado, membros fizeram sacrifícios significativos para frequentarem templos em outros lugares – as vezes requeria viagens consideráveis”, falou Presidente da Estaca Durham Carolina do Norte, Christopher Kelsey. “Especificamente, os jovens viajavam regularmente para o Templo de Columbia Carolina do Sul para participar de batismos pelos mortos.

“Levantar antes do sol e dirigir várias horas para frequentar o templo foi uma ótima oportunidade para nossos jovens demonstrarem seu compromisso com o Senhor.”

Legado de crença da Carolina do Norte

O primeiro templo da Carolina do Norte foi dedicado apenas duas décadas atrás, mas a história da Igreja no estado estende-se pelos primeiros anos da Restauração. Élder Jedediah M. Grant – pai do presidente Heber J. Grant – foi o primeiro missionário conhecido da Carolina do Norte.

No dia 18 de maio, 1838, élder Grant reportou que havia pregado por seis meses nos Condados de Stokes, Surrey e Rockingham e batizou quatro pessoas. Ele continuou a organizar uma conferência de 200 Santos dos Últimos Dias em sete congregações.

Desde aquele início relativamente humilde, a Igreja na Carolina do Norte cresceu firmemente. A primeira estaca do estado foi criada no dia 27 de agosto, 1961, na cidade oriental de Kinston. Um mês depois, uma segunda estaca foi formada em Greensboro.

Hoje, quase 90.000 Santos dos Últimos Dias da Carolina do Norte pertencem a 17 estacas. O templo rededicado de Raleigh atende a membros de 12 dessas estacas na Carolina do Norte central e oriental.

Santos dos Últimos Dias esperam para entrar no Templo de Raleigh Carolina do Norte no dia 13 de outubro, 2019. O prédio de 20 anos de idade foi rededicado pelo presidente M. Russell Ballard.
Santos dos Últimos Dias esperam para entrar no Templo de Raleigh Carolina do Norte no dia 13 de outubro, 2019. O prédio de 20 anos de idade foi rededicado pelo presidente M. Russell Ballard. Credit: Jason Swensen

O edifício foi fechado no início de 2018 para renovações extensivas exteriores e interiores. Trabalhadores cercavam o pórtico e a torre de campanário agora está 3 metros (10 pés) mais alta.

 As, aproximadamente, 40.000 pessoas que visitaram o recém-renovado templo durante a recente casa aberta do templo encontraram características interiores que são distintamente da Carolina do Norte. A flor do estado – a flor de cornizo – é incorporada em uma nova arte de vidro azul, dourada e creme encontrada no batistério e em outras salas. Obras de arte originais capturam a beleza natural verdejante do estado.

“A visitação foi a chance de uma vida inteira”, disse élder Matthew S. Harding, um Setenta de Área e residente da Carolina do Norte. “Nossos membros convidaram a comunidade para vir e ver o templo. Aquele simples ‘Vinde e vede’ foi o nosso tema. Nossa comunidade foi capaz de ver o templo e aprender mais sobre nossa fé e ordenanças sagradas.”

 A Carolina do Norte é parte do sul dos Estados Unidos chamados de “Cinturão Bíblico.” Muitos residentes aqui seguram-se fortemente a convicções religiosas. Historicamente, nem todos tem aceitados os Santos dos Últimos Dias. A recente casa aberta proveu oportunidades únicas de ensinar outros sobre o papel central de Jesus Cristo na Igreja e em Seus templos e ajuda a esclarecer mal-entendidos.

 “As pessoas que vieram para a casa aberta foram edificadas e viram nosso amor pelo Salvador”, disse élder Harding.

Rededicando vidas para o Salvador

Para Santos dos Últimos Dias ao redor da Carolina do Norte e além, a rededicação de domingo foi um desafio para rededicar a vida de cada um para o Salvador.

“Agora que o templo está aberto de novo, é hora de garantir que nossas vidas estejam em ordem”, élder Harding. “É hora de garantir que nossas recomendações do templo estejam atualizadas e que estejamos prontos para entrar, aprender e servir. O lindo templo de Raleigh é um símbolo de nossa fé e amor pelo Salvador e Seu sacrifício expiatório por cada um de nós.”

Presidente Ballard disse domingo que o propósito de dedicar ou rededicar um templo é “para aumentar a preparação espiritual de nosso povo para que eles possam viver num mundo que aparenta estar se tornando mais secular e, em alguns casos, onde pessoas estão até desconsiderando a existência de Deus.”

Presidente M. Russell Ballard despede-se de um rapaz após rededicação do Templo de Raleigh Carolina do Norte, no dia 13 de outubro, 2019. Élder Kevin R. Duncan, à direita, cumprimenta outro oficiante do templo.
Presidente M. Russell Ballard despede-se de um rapaz após rededicação do Templo de Raleigh Carolina do Norte, no dia 13 de outubro, 2019. Élder Kevin R. Duncan, à direita, cumprimenta outro oficiante do templo. Credit: Jason Swensen

Como o líder veterano da Igreja referiu alguns dias atrás no seu discurso na conferência geral, cada pessoa precisa travar uma batalha com ele mesmo ou ela mesma para decidir entre o certo e o errado.

“Uma das melhores maneiras que nossos espíritos podem ser reforçados e fortalecidos é ao estarmos aqui no templo”, ele disse. “O Espírito do Senhor está aqui. O templo se alimenta da alma interior. Nos torna mais fortes. Nos ensina nossa verdadeira identidade: filhos e filha de Deus vindo para Sua santa casa e fazendo o trabalho sagrado.”

O nonagenário sorriu quando perguntado sobre a agenda vigorosa que ainda o leva para todos os cantos da terra.

“Eu não posso reclamar porque o presidente Nelson tem 95 – ele é quatro anos mais velho que eu”, ele disse. “Eu me sinto honrado que o Senhor tenha permitido que eu fique e continue o trabalho pelo qual estou envolvido. Sou grato por ter energia e saúde suficiente para que eu possa continuar a fazer a minha parte.

“Eu espero continuar aqui por tempo suficiente para terminar todo o trabalho.”