Élder Christofferson rededica Templo de Assunção Paraguai em espanhol — aqui vão os destaques do evento

ASSUNÇÃO, Paraguai – Toda vez que o élder D. Todd Christofferson se junta ao Quórum dos Doze Apóstolos, ele se senta a um ou dois lugares de distância de um lembrete de carne e ossos do milagre da construção de templos da América do Sul.

Quando o companheiro no apostolado do élder Christofferson, élder Ulisses Soares, estava servindo uma missão de tempo integral em seu país de origem, Brasil, ele a fez sem nunca haver pisado em um templo até as semanas finais de seu serviço. Para o jovem élder Soares e legiões de outros Santos dos Últimos Dias fiéis da América do Sul, adorar num templo dedicado não foi sempre uma opção. Era algo de se esperar e sonhar.

“E isso”, mencionou élder Christofferson, “não foi tantos anos atrás.”

O primeiro templo do continente, o Templo de São Paulo Brasil, foi aberto em 1978 – o primeiro capítulo em um período contínuo da construção prolífica de templos.

Hoje, existem 20 templos em funcionamento ao redor do continente – de Barranquilla, Colômbia, ao norte à Concepción, Chile, no sul. Mais dez futuros templos na América do Sul estão sendo construídos ou foram anunciados.

Assunção está entre as muitas “cidades com templos” da Igreja na América do Sul.

Élder D. Todd Christofferson e irmã Kathy Christofferson cumprimentam membros após rededicação do Templo de Assunção Paraguai, no dia 3 de novembro, 2019.
Élder D. Todd Christofferson e irmã Kathy Christofferson cumprimentam membros após rededicação do Templo de Assunção Paraguai, no dia 3 de novembro, 2019. Credit: Jason Swensen

Quase 18 anos atrás, presidente Gordon B. Hinckley dedicou o único templo do Paraguai. Diferentemente do élder Soares, a maioria dos futuros missionários do Paraguai tiveram anos de acesso ao templo – o que os permitiu servir, aprender e crescer.

Contudo, os últimos dois anos também apresentaram para os Santos dos Últimos Dias o período desafiador de não ter um templo facilmente acessível. Em 2017, o Templo de Assunção Paraguai foi fechado para um trabalho significativo de restauração e renovação.

Após uma casa aberta ao público bem-sucedida, domingo, dia 3 de novembro, marcou o dia da celebração e renovação sagrada ao redor do Paraguai. Élder Christofferson rededicou o templo de Assunção na linguagem espanhol que ele aprendeu, como um jovem missionário, décadas antes.

Sua presença apostólica e conselho enriqueceram a alegre reabertura de domingo do amado edifício localizado na histórica e proeminente encruzilhada entre a Avenida Espanha e Avenida Brasília.

Élder D. Todd Christofferson cumprimenta uma garotinha após rededicação do Templo de Assunção Paraguai, no dia 3 de novembro, 2019.
Élder D. Todd Christofferson cumprimenta uma garotinha após rededicação do Templo de Assunção Paraguai, no dia 3 de novembro, 2019. Credit: Jason Swensen

“Este templo”, disse Santa dos Últimos Dias, Arami Paredes, “tem sido um refúgio do mundo para mim desde minha infância.”

O retorno de um Apóstolo para um terreno sagrado

O jovem Todd Christofferson deixou sua casa nos Estados Unidos em 1964 para cumprir o chamado missionário na Argentina. Trabalhando sob a direção de seu presidente de missão e antecessor no apostolado, Richard G. Scott, élder Christofferson desenvolveu um amor pela América do Sul que nunca o deixou.

No domingo, foi impossível vê-lo sem um sorriso no rosto ao cumprimentar velhos amigos e, da mesma forma, novos conhecidos. Seu espanhol ainda flui facilmente graças a anos de obrigações eclesiásticas ao redor da América Latina.

Uma parte do distrito do Templo de Assunção Paraguai pega uma área da província do nordeste de Corrientes, onde ele trabalhou como missionário e adquiriu um apreço pela cultura indígena Guarani e história colonial e pós-colonial da região.

Servir uma missão no sudeste da América do Sul “foi obviamente um tempo formativo em minha vida”, ele falou ao Church News. “Mas é bom refletir esses momentos e, então, pensar onde estamos agora.”

Domingo marcou a primeira vez em que o élder Christofferson presidiu uma dedicação ou rededicação de um templo. Então, a América do Sul pareceu um local apropriado para cumprir uma designação tão importante.

Élder D. Todd Christofferson, ao centro, foi acompanhado na rededicação do Templo de Assunção Paraguai do dia 3 de novembro, 2019, por élder Benjamin De Hoyos, à esquerda, e élder Kevin R. Duncan.
Élder D. Todd Christofferson, ao centro, foi acompanhado na rededicação do Templo de Assunção Paraguai do dia 3 de novembro, 2019, por élder Benjamin De Hoyos, à esquerda, e élder Kevin R. Duncan. Credit: Jason Swensen

“É difícil colocar em palavras os sentimentos que alguém tem ao voltar para onde ele ou ela serviu uma missão e então ver o desenvolvimento da Igreja nesse meio tempo – assim como a promessa do que ainda está por vir.”

Élder Christofferson reconheceu o poderoso simbolismo pessoal da rededicação do domingo. Templos, como pessoas, são estruturas físicas que envelhecem e precisam de melhoras e mudanças. As vezes é necessário fazer uma rededicação.

“E isso não é algo ruim – isso nos dá uma oportunidade de fazer o mesmo por nós mesmos e nossas próprias vidas”, ele disse.

Nos tempos antigos, as pessoas traziam ofertas ao templo. Após a expiação e ressurreição de Cristo, o Salvador declarou um fim àquele tipo de sacrifícios. Ao invés disso, disse élder Christofferson, as pessoas que vierem ao templo de Assunção ou outro edifício sagrado como este precisam oferecer “um coração quebrantado e um espírito contrito.”

Isso só vem através do arrependimento, progresso pessoal e ao guardar convênios.

Antes de entrar no templo, alguém pode perguntar, “O que posso fazer em minha vida que me transforme numa oferta mais digna…. O que me tornaria uma pessoa mais santa?” disse élder Christofferson. “Se você examinar sua vida, provavelmente terão coisas que são indignas e que precisarão sair de sua vida. Ou talvez existam atributos de Cristo que você queira incorporar mais completamente em sua vida.

Músicos da tribo Guarani entreterem líderes da Igreja na noite de 3 de novembro, 2019, na rededicação do Templo de Assunção Paraguai.
Músicos da tribo Guarani entreterem líderes da Igreja na noite de 3 de novembro, 2019, na rededicação do Templo de Assunção Paraguai. Credit: Jason Swensen

“Esses são os tipos de ofertas que precisamos pensar. Nosso presente para o Senhor é nós mesmos, cada vez que formos ao templo.”

Durante seu período como presidente da Igreja, o presidente Russell M. Nelson tem enraizado instruções sobre o papel que cada Santo dos Últimos Dias tem na coligação de Israel.

Templos como o rededicado Templo de Assunção Paraguai são “elementos centrais (e exultantes) da coligação prometida que o Senhor tem falado por muito tempo, através de Seus profetas”, disse élder Christofferson.

Os convênios feitos no templo, ele acrescentou, permitem que a coligação aconteça tanto para os vivos quanto para os mortos.

Além disso, a rededicação do único templo do Paraguai “irá diminuir a influência do adversário aqui e fortalecerá a influência do Espírito Santo…. Eu acredito que esta nação pode prosperar e o templo e a influência dos Santos dos Últimos Dias terão um efeito no país.”

Élder Christofferson foi acompanhado por sua esposa, irmã Kathy Christofferson, na rededicação do Templo de Assunção Paraguai.

“Nós sabemos quão especial é este lugar”, ela disse. “Tudo neste prédio ensina o quanto o Senhor ama Seus filhos. Ele quer abençoá-los ao fazerem convênios de serví-Lo.”

Élder D. Todd Christofferson e irmã Kathy Christofferson chegam no dia 3 de novembro, 2019, para a rededicação do Templo de Assunção Paraguai. Eles foram acompanhados por: élder Kevin R. Duncan e irmã Nancy Duncan e élder Benjamín De Hoyos e irmã Evelia De Hoyos.
Élder D. Todd Christofferson e irmã Kathy Christofferson chegam no dia 3 de novembro, 2019, para a rededicação do Templo de Assunção Paraguai. Eles foram acompanhados por: élder Kevin R. Duncan e irmã Nancy Duncan e élder Benjamín De Hoyos e irmã Evelia De Hoyos. Credit: Jason Swensen

O templo de Assunção, ela mencionou, não é um grande edifício. “Mas ainda é a casa do Senhor. É muito especial e todo mundo que entra lá sabe disso.”

Dois Setentas Autoridades Gerais também participaram da rededicação do domingo: Élder Kevin R. Duncan, que serve como diretor executivo no Departamento de Templo, e élder Benjamín De Hoyos, que preside a Área Sul da América do Sul. Eles foram acompanhados de suas esposas – irmã Nancy Duncan e irmã Evelia De Hoyos.

Fé sincera

Por causa de sua localização no centro do continente, o Paraguai é apropriadamente chamado do “Corazón de America” – o coração da América. Mas Santos dos Últimos Dias aqui dizem que o apelido vai além da geografia. Também é a terra de pessoas sensíveis espiritualmente que tem experiências do evangelho em seus corações.

As duas primeiras congregações Santas dos Últimos Dias no Paraguai foram organizadas em 1951, apenas dois anos após a chegada dos missionários. Desde os primeiros anos, os esforços em conjunto dos missionários de tempo integral e dos dedicados membros locais permitiu que o crescimento fosse contínuo.

Quase 95.000 membros se encontram hoje neste país cercado de terra. A pedra angular por fora imortaliza a abertura do Templo de Assunção Paraguai em 2002. Agora, o ano de 2019 pode ser acrescentado aos principais anos dos Santos dos Últimos Dias aqui.

A rededicação de domingo aconteceu após uma casa aberta ao público que recebeu cerca de 20.000 pessoas no templo.

A família Maluff-Cañete é simbólica por fazer parte das famílias Santas dos Últimos Dias multi-geracionais encontradas no Paraguai.
A família Maluff-Cañete é simbólica por fazer parte das famílias Santas dos Últimos Dias multi-geracionais encontradas no Paraguai. Credit: Jason Swensen

“Durante a casa aberta, muitos membros que não haviam entrado anteriormente no templo puderam visitá-lo e expressaram seus testemunhos do templo”, disse o presidente da Estaca Assunção Paraguai, Horst Eschgfaller. “Nós temos visto membros fortalecerem seus testemunhos com relação ao templo e ao trabalho. Eles estão ansiosos para fazerem suas próprias ordenanças. Nós também recebemos muito interesse e perguntas das pessoas que não são membros de nossa igreja.”

O presidente da Missão Paraguai Assunção Norte, Richard L. Millett, disse que os missionários estão entusiasmados com as oportunidades que o templo rededicado trará.

“O espírito de Elias está tão forte agora com a dedicação do templo”, ele disse. “Nossos missionários tem compartilhado experiências em que as pessoas que estão ensinando estão sendo influenciadas por ancestrais do outro lado do véu.

“Agora, com o templo dedicado, nós antecipamos que nossos recém-conversos serão ainda mais fortalecidos pela habilidade de ir ao templo pouco depois de se batizarem para fazerem o trabalho por seus parentes falecidos.”

Membros paraguaios, Julio e Arami Paredes, serviram juntos como guias de visitação durante a casa aberta. Eles assistiram enquanto os visitantes chegaram ao templo com conceitos preconcebíveis sobre a Igreja – e pouco tempo depois saíram com um novo entendimento e apreciação pelo templo de Assunção.

O Templo de Assunção Paraguai foi rededicado no dia 3 de novembro, 2019, pelo élder D. Todd Christofferson.
O Templo de Assunção Paraguai foi rededicado no dia 3 de novembro, 2019, pelo élder D. Todd Christofferson. Credit: Intellectual Reserve, Inc.

“Eu fiquei bem feliz de ver que outras pessoas que não são de nossa religião também puderam aproveitar a paz e a tranquilidade deste lugar sagrado”, disse Arami.

Estar reconectada com o templo de Assunção invoca sentimentos de rededicação espiritual para Julio.

“Minha esposa e eu amamos o evangelho e nos esforçamos para cumprirmos seus ensinamentos”, ele disse. “Também ansiamos por tornarmos uma família eterna e eu sei, sem nenhuma dúvida, que o templo é uma parte fundamental disso.”

Um refúgio para todos os paraguaios

O templo renovado de Assunção é inconfundivelmente paraguaio. Uma versão estilizada da árvore e flor nacional do Paraguai – a lapacho – é visto por todo o edifício em tinta decorativa e esquemas de cores.

A distinta cor de lavanda da lapacho também é utilizada no tecido, arte em vidro e na cantaria do templo. Enquanto isso, a mobília é baseada no estilo Espanhol Colonial – inspirada na antiga arquitetura e mobília do Paraguai.

O design e a beleza do templo reaberto – junto com o seu propósito centralizado na família – ajudaram os visitantes da casa aberta como Elianne Cáceres, que não é membro da Igreja, a descobrirem esperança.

Ao andar pelos corredores e salas quietas do templo de Assunção, “Eu senti uma paz que eu não senti por anos”, ela disse. “Eu podia sentir todos os meus problemas irem embora.

“Eu sei que cada pessoa tem uma maneira diferente de se conectar com Jesus Cristo, mas eu considero o templo de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias um dos lugares mais perfeitos e belos para se conectar com Deus.”