Menu
NAS NOTÍCIAS

Como Élder Renlund conectou rios e ‘pororoca’ à dedicação do Templo de Belém Brasil

Apóstolo cumprimenta participantes na entrada principal antes das 3 sessões dedicatórias totalmente em português

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, auxilia Thiago Dourado, 10 anos, a colocar argamassa na pedra angular na dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022.

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, auxilia Thiago Dourado, 10 anos, a colocar argamassa na pedra angular na dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News


Como Élder Renlund conectou rios e ‘pororoca’ à dedicação do Templo de Belém Brasil

Apóstolo cumprimenta participantes na entrada principal antes das 3 sessões dedicatórias totalmente em português

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, auxilia Thiago Dourado, 10 anos, a colocar argamassa na pedra angular na dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022.

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, auxilia Thiago Dourado, 10 anos, a colocar argamassa na pedra angular na dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

BELÉM, Brasil — Ao se preparar para dedicar o Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro, Élder Dale G. Renlund voltou seus pensamentos para o Rio Amazonas, próximo dali, usando a maior hidrovia do mundo, bem como outros rios notáveis, como representações da dignidade e ordenanças e convênios do templo.

Élder Renlund, membro do Quórum dos Doze Apóstolos, falou sobre um fenômeno local proeminente na Amazônia chamado “pororoca”, bem conhecido por moradores de Belém e todo o Brasil.

Como o rio mais poderoso do mundo, o Amazonas despeja mais água no oceano do que os próximos sete maiores rios juntos, disse ele. Duas vezes por ano, quando o sol, a lua e a terra se alinham durante os equinócios bianuais, a pororoca, conhecida como maré alta, ocorre quando a maré sobe e o rio muda de direção.

“Podemos concluir corretamente que até mesmo o poderoso rio Amazonas deve ceder a poderes celestiais superiores”, disse Élder Renlund.

A pororoca, palavra que significa “grande rugido”, resulta em ondas fortes e quebradiças que podem viajar pelo menos 50 quilômetros (31 milhas) para o interior e atingir até seis metros (20 pés) de altura.

Da mesma forma, é preciso ceder aos poderes celestiais superiores para se tornar digno de voltar a viver na presença de Deus, disse ele, acrescentando que não é natural ser humilde, empático e disposto a submeter sua vontade a Deus.

“Mas precisamos ser transformados para alcançar nosso destino eterno, para nos tornarmos herdeiros do reino de Deus”, continuou ele. “Não podemos superar nossas tendências naturais por nós mesmos. Devemos ter ajuda celestial.”

A cidade de Belém, Brasil, vista do rio Amazonas na sexta-feira, 18 de novembro de 2022.

A cidade de Belém, Brasil, vista do rio Amazonas na sexta-feira, 18 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

“O rio Amazonas não tem escolha a não ser ceder ao poder celestial. Mas nós temos uma escolha. Recebemos poder apenas se nos ligarmos a Deus por meio de convênios sagrados.”

Os indivíduos devem abandonar suas tendências naturais, seguir a direção que vem do Espírito Santo e confiar nos méritos, misericórdia e graça de Jesus Cristo, acrescentou. “É nossa escolha ‘seguir a corrente’ ou seguir o Salvador para receber Seu poder transformador em nossa vida.”

Um barco navega pelo rio Amazonas em Belém do Pará, ao pôr do sol na sexta-feira, 18 de novembro de 2022.

Um barco navega pelo rio Amazonas em Belém do Pará, ao pôr do sol na sexta-feira, 18 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

Uma calorosa recepção

Filas com santos dos últimos dias dos estados do Pará, Amapá e Maranhão, no norte do Brasil, e missionários retornados que serviram na área, fluíram como um rio humano nas três sessões dedicatórias do Templo de Belém Brasil. O dia foi quente e úmido, com temperaturas chegando aos 32 graus e umidade não muito atrás, mas com um céu azul e sem chuva à tarde, como é comum. Belém fica na foz do Amazonas, apenas 180 km (112 milhas) ao sul do equador.

Mas, por mais quente que estivesse lá fora, as boas-vindas e a sensação dentro do templo eram de calor.

E dando as boas-vindas aos participantes de cada uma das sessões do dia, na entrada principal da nova casa do Senhor estava um Apóstolo do Senhor.

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, cumprimenta os participantes ao entrarem no Templo de Belém Brasil antes da segunda sessão de dedicação no domingo, 20 de novembro de 2022.

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, cumprimenta os participantes ao entrarem no Templo de Belém Brasil antes da segunda sessão de dedicação no domingo, 20 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

Élder Renlund cumprimentou os santos dos últimos dias com apertos de mão individuais ao entrarem no templo.

Juntando-se a ele para receber os participantes estavam Élder Carlos A. Godoy, da Presidência dos Setenta; Élder Arnulfo Valenzuela, Setenta Autoridade Geral e diretor executivo assistente do Departamento de Templos; e Élder Adilson de Paula Parrella, também Setenta e presidente da Área Brasil.

Eles foram acompanhados por suas esposas, irmã Ruth Renlund, irmã Monica Godoy, irmã Silvia Valenzuela e irmã Elaine Parrella, nas cerimônias de dedicação.

Irmã Monica Godoy, Élder Carlos A. Godoy, irmã Ruth Renlund, Élder Dale G. Renlund do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, irmã Silvia Valenzuela, Élder Arnulfo Valenzuela, irmã Elaine Parrella e Élder Adilson de Paula Parrella posam para fotos na dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022.

Irmã Monica Godoy, Élder Carlos A. Godoy, irmã Ruth Renlund, Élder Dale G. Renlund do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, irmã Silvia Valenzuela, Élder Arnulfo Valenzuela, irmã Elaine Parrella e Élder Adilson de Paula Parrella posam para fotos na dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

Élder Odair José Castro de Lira, um Setenta de Área de Santarém, Brasil, e sua esposa, a irmã Edileude Lira, concordaram que o fato de Élder Renlund recebê-los na entrada principal lhes deu a sensação de que estavam recebendo “a proteção do Senhor.”

Élder Lira disse que testemunhou as bênçãos sobre aqueles que se prepararam para a dedicação e participaram da casa aberta do templo, que o reconheceram como de fato a casa do Senhor.

Ele citou uma experiência envolvendo uma mulher na casa aberta do templo que não é santo dos últimos dias e que havia perdido o marido apenas dois dias antes. Ele viu como o Espírito a tocou quando ela aprendeu sobre o casamento eterno, e ela ficou emocionada. Houve muitas experiências como esta.

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, cumprimenta os participantes ao entrarem no Templo de Belém Brasil antes da segunda sessão de dedicação no domingo, 20 de novembro de 2022.

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, cumprimenta os participantes ao entrarem no Templo de Belém Brasil antes da segunda sessão de dedicação no domingo, 20 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

Clarice Albuquerque, da Ala Cabanagem, Estaca Belém Brasil Cabanagem, disse que, ao ser saudada por Élder Renlund na porta da frente do templo, se sentiu extremamente grata pelo Senhor ter enviado um de Seus apóstolos.

Ela e o marido, Anderson Albuquerque, ficaram surpresos, e o gesto os lembrou do relato do Livro de Mórmon, quando o Cristo ressurreto veio às Américas e cumprimentou a todos, um a um.

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, fala em português durante a cerimônia de colocação da pedra angular na dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022.

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, fala em português durante a cerimônia de colocação da pedra angular na dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

Pedra angular simbólica

Na cerimônia de colocação da pedra angular realizada logo após o início da primeira sessão do dia, Élder Renlund falou sobre a representação simbólica, não apenas da conclusão física do templo, mas também do papel fundamental, conforme ensinado por Paulo no Novo Testamento, de Cristo como a pedra angular da Igreja.

O apóstolo compartilhou mensagens de boas-vindas e instruções em português, oferecendo sua mensagem de encerramento e oração dedicatória em cada uma das três sessões no idioma local. Todas as três sessões foram feitas completamente em português.

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, cumprimenta crianças depois que elas ajudaram a colocar argamassa na pedra angular na dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022.

Élder Dale G. Renlund, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, cumprimenta crianças depois que elas ajudaram a colocar argamassa na pedra angular na dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

Élder Renlund então convidou outras pessoas do grupo de liderança e da presidência do templo, diretora e assistentes para se juntarem a ele na colocação de argamassa ao redor da pedra angular. Ele convidou também algumas crianças, representando a nova geração do distrito do templo, para fazerem o mesmo com ele.

O primeiro de 2 novos templos dedicados

Por cerca de duas horas na manhã de domingo, o Templo de Belém Brasil foi o mais novo dos 174 templos dedicados de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Templo de Belém Brasil, no domingo, 20 de novembro de 2022.

Templo de Belém Brasil, no domingo, 20 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

Duas horas depois, no lado oeste do continente sul-americano, o Templo de Quito Equador foi dedicado por Élder Quentin L. Cook, do Quórum dos Doze Apóstolos: uma rara ocasião onde dois templos foram dedicados em um único dia.

Embora possa ter perdido seu lugar como o templo mais recentemente dedicado da Igreja, será o mais novo do Brasil por algum tempo. O Templo de Belém Brasil é o nono templo no maior país da América do Sul, se juntando aos templos dedicados e em funcionamento em São Paulo, Recife, Porto Alegre, Campinas, Curitiba, Manaus, Fortaleza e Rio de Janeiro, este último dedicado em maio deste ano.

O Templo de Belém Brasil fotografado na quinta-feira, 17 de novembro de 2022.

O Templo de Belém Brasil na quinta-feira, 17 de novembro de 2022.

Scott G Winterton, Deseret News

O Brasil possui 18 templos no total, com dois em construção, em Brasília e Salvador, e sete templos anunciados: em Belo Horizonte, Vitória, Maceió, Santos, Londrina, Ribeirão Preto e um segundo para São Paulo.

Presidente Thomas S. Monson anunciou um templo para Belém, Brasil, na conferência geral de abril de 2016. Élder Marcos A. Aidukaitis, Setenta Autoridade Geral e na época presidente da Área Brasil, presidiu a abertura de terra em Belém em 17 de agosto de 2019.

Mais rios

Esta não é a primeira vez que Élder Renlund dedica um templo perto de um dos maiores rios do mundo. Em abril de 2019, ele dedicou o Templo de Kinshasa República Democrática do Congo [em inglês] e mencionou o rio Congo, localizado nas proximidades, em suas mensagens e oração dedicatória.

Além do Amazonas, Élder Renlund mencionou o rio Mississippi nos Estados Unidos e um rio sem nome no Velho Testamento relacionado ao novo Templo de Belém Brasil.

Membros do coro da cerimônia de colocação da pedra angular cantam durante a dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022, em Belém, Brasil.

Membros do coro da cerimônia de colocação da pedra angular cantam durante a dedicação do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022, em Belém, Brasil.

Scott G Winterton, Deseret News

Em um funeral em 1840 perto das margens do Mississippi, o Profeta Joseph Smith fez um sermão, lendo as palavras de Paulo sobre o batismo pelos mortos, e enfatizando a doutrina referente à salvação dos mortos. Os espíritos dos falecidos esperavam que seus familiares vivos os procurassem para receberem as ordenanças necessárias, a começar pelo batismo.

“Homens e mulheres correram para o rio e foram batizados por seus avós, pais, mães, irmãos e filhos falecidos”, disse Élder Renlund, acrescentando que “mais tarde, Joseph ensinou que essas ordenanças deveriam ocorrer apenas em um templo dedicado.”

Ele também citou a declaração do Profeta de que a maior responsabilidade dada por Deus é a de buscarmos os mortos ao provermos as ordenanças de salvação e exaltação para eles.

Pessoas posam para fotos em frente do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022, em Belém, Brasil.

Pessoas posam para fotos em frente do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022, em Belém, Brasil.

Scott G Winterton, Deseret News

Um rio mostrado ao profeta Ezequiel, do Velho Testamento, por um mensageiro celestial em uma visão (Ezequiel 40–47) representa as bênçãos do templo, disse Élder Renlund.

Ezequiel viu um templo com água fluindo dele, começando como uma espécie de goteira, mas crescendo para se tornar um poderoso rio, sem nenhuma fonte adicional de água sendo adicionada ao fluxo. Além disso, a água curava surpreendentemente tudo o que tocava.

As duas características incomuns do rio representam dois aspectos das bênçãos do templo, disse Élder Renlund.

“Primeiro, a água que vem do templo representa as bênçãos que fluem do templo quando as pessoas recebem a investidura e as famílias são seladas. O crescimento geométrico ocorre indo para trás e para frente através das gerações porque as ordenanças de selamento unem as famílias”, disse ele.

“Em segundo lugar, as bênçãos do templo, como a água do rio, têm uma notável capacidade de cura. Ao procurarmos nossos antepassados falecidos e depois irmos ao templo e realizarmos ordenanças sagradas por eles, bênçãos fluem para nós e nossa família, como o poder do rio mencionado por Ezequiel. Encontraremos poder para curar o que precisa ser curado.”

Participantes caminham em direção à entrada do Templo de Belém Brasil para uma sessão dedicatória no domingo, 20 de novembro de 2022, em Belém, Brasil.

Participantes caminham em direção à entrada do Templo de Belém Brasil para uma sessão dedicatória no domingo, 20 de novembro de 2022, em Belém, Brasil.

Scott G Winterton, Deseret News

‘Um povo do convênio’

Élder Godoy, que presidiu a Missão Brasil Belém de 1997 a 2000, lembrou que os santos dos últimos dias locais se comprometeram a frequentar o templo duas ou mais vezes por ano, fazendo grandes sacrifícios para tal.

Juntar-se às “caravanas do templo” de Belém significava uma viagem de ônibus de três dias até o Templo de São Paulo, antes que os templos de Recife, Manaus e Fortaleza encurtassem a distância. Aqueles que moram mais longe, nos estados do Amapá e Maranhão, faziam uma viagem de barco adicional de três dias para chegarem a Belém, o que significa que a viagem de ida e volta era de 12 dias, sem incluir o tempo gasto no templo de São Paulo.

Crianças posam para fotos em frente do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022, em Belém, Brasil.

Crianças posam para fotos em frente do Templo de Belém Brasil no domingo, 20 de novembro de 2022, em Belém, Brasil.

Scott G Winterton, Deseret News

Os membros, simples e humildes, não apenas esgotavam suas economias, mas também vendiam utensílios domésticos, como televisores, geladeiras e fornos, para terem dinheiro para viajar de caravana para o templo.

Os membros há muito estavam dispostos a terem um templo mais perto deles. “Estava em seu coração e o Senhor podia ver isso”, disse Élder Godoy, segurando as lágrimas. “Acredito que eles têm um templo, não porque a Igreja já era forte o suficiente lá, mas porque eles realmente são pessoas do convênio. Eles eram até mesmo antes, sem um templo.”

NEWSLETTER
Receba destaques do Church News entregues semanalmente na sua caixa de entrada grátis. Digite seu endereço de e-mail abaixo.